Revival do blog do CoralBH

Queridos que cantam e já cantaram alguma vez em nosso queridíssimo Coral da Estaca Belo Horizonte,

Desde que fui convidada pelo Presidente Dias a ajudar uma última vez o coral, por ser uma ocasião especial sob a presidência dele, fiquei ponderando sobre toda a história do coral do momento em que fui chamada para regente até hoje. Vi que no blog temos praticamente toda a história, excetuando-se 3 ocasiôes:

  1. A primeira vez que regi o coral em 2008(ainda vou conferir a data com meus registros em casa);
  2. A dedicação da nova capela sede de estaca em 2010;
  3. A vinda do Élder Jeffrey R. Holland presidir a conferência.

Se esqueci de alguma ocasião em que estive regendo vocês, por favor me lembrem!!

Vamos por partes, então. Achei importante contar alguns detalhes para vocês entenderem por o porquê do meu amor tão grande por esse gurpo.

1. A primeira vez que regi o coral em 2008:

Meu marido, Cordanni, tinha sido chamado bispo pouco tempo antes de começar a reger o coral. Devido aos nossos compromissos com chamado, trabalho, bebê novo em casa, tinha parado de cantar no coral para apoiá-lo mais em seu chamado. Foi então que fui chamada para ser entrevistada pelo Presidente Louza. Lembro como se fosse hoje. Fiquei feliz com o convite para ser regente do coral, mas ao mesmo tempo preocupadíssima se iria “dar conta do recado” e a partir daí entreguei tudo nas mãos do Senhor. Se eles foram inspirados em me convidar a reger, o Senhor queria que eu servisse e prepararia o caminho. Disso não tenho dúvidas.

Consegui, com um apoio inacreditável de tão bom da Presidência da Estaca e de muitos portadores do sacerdócio, montar uma equipe que me auxiliaria nos ensaios.

O método que usei de inspiração para usar no coral foi uma mistura do que aprendi em minha vivência desde criança cantando em corais e um que o irmão Paulo Toffanelli(hoje Presidente Toffanelli, presidente da estaca Santo André) me ensinou, com gravações e acompanhamentos sendo distribuídos para ensaio dos coralistas em casa. Essa mistura funcionou muito bem, ajudando os membros, que em sua maioria não tinham leitura de partitura musical, a cantar por vezes algo que alguém com conhecimento teórico musical teria dificuldade.

Nessa conferência onde estreiei como regente, cantamos os seguintes hinos:

  • Ó doce, grata oração(eu mesma compus o acompanhamento do piano)
  • Glória a Deus cantai(também composição minha o acompanhamento)
  • …deu branco!! rsrsrsr Só por em ti, Jesus, pensar….talvez???
  • Guardiôes da Luz

Quando estiver em casa conseguirei lembrar…mas aaaacho que foi “Só por em ti, Jesus, pensar”. Vou confirmar.

Nesta primeira vez, arriquei colocar alguns arranjos que eu mesma fiz. Acredito que muitos não sabiam desse detalhe.

No sábado de conferência cantamos “Guardiões da Luz”, uma música da Jenny Phillips do tema da mutual da ORM daquele ano. Fomos muito elogiados. Inclusive pelo Presidente Jonhson e a Sister Jonhson. Quem os conhece sabe que são músicos de gosto refinado!

No domingo, a conferência aconteceu na capela da Ala Aeoporto, na época da Estaca Pampulha, hoje, estaca Belo Horizonte Leste. Lembro que a luz acabou…e o piano, elétrico. Que desespero! Cantamos no prelúdio de última hora alguns hinos de cor para trazer mais referência àquela situação difícil. Mas e os outros hinos??? Cantamos a capella, sem o piano. Tudo bem para o “Ó doce, grata oração” e o “Glória a Deus cantai”(cantado com a congregação). Mas e o último hino, “Só por em ti, Jesus pensar”, que tinha uma mudança de tom bem no meio??

Corri tentando achar alguém que pudesse socorrer. Me contaram que as luzes estavam funcionando em “meia fase”(acho que é assim que se diz), e peguei um dos cds de acompanhamento que usava para ensaiá-los e voilà! Acompanhamento gravado, mas foi possível cantar todo o hino. Com a mudança de tom!! Uma correria só no meio da conferência, e que teste de resistência eu tive! Depois disso, qualquer situação seria “fichinha”!

Foi um sucesso. Cantar sem piano, a capella, e improvisar um acompanhamento no final…e ainda cantando lindamente, mostrou o preparo de vocês a parte que o Pai Celestial completou naquele momento.

Que gostoso relembrar…

2.A dedicação da nova capela da sede de Estaca em 2010:

Não sei porquê naquela época não escrevi nenhum post sobre esse evento tão importante na história de nossa estaca.

Foi praticamente um ano de preparação. Para o musical e para a dedicação. No final, em consideração ao carinho e história de muitos membros que no momento não pertenciam à Estaca Belo Horizonte, resolvemos transformar o coral da estaca em um coral multiestacas. Foi uma experiência única. 80 vozes, cantando lindamente com um espírito de sacríficio e irmandade.

Só tenho um grande arrependimento dessa época. Não tirei fotos nem gravei nenhum momento sequer! Que tristeza1 Tenho certeza que muitos membros o fizeram e aqui vai o meu apelo: Por favor, que tiver algum registro dessa época, mande pra mim! Preciso muuuuito!!! E serei eternamente grata!! rsrsr

Lembro que cantamos os hinos “Assombro me causa”, “Careço de Jesus” e “Que Firme Alicerce”. Acho que foram esses. Mais uma vez, a memória falhou, mas confirmo em casa com meus registros. =)

3.A vinda do Élder Holland para presidir a conferência.

A primeira vez tão perto de um apóstolo do Senhor. Que honra e privilégio poder estar tão perto.

Cantamos “Com amor no lar”, “Careço de Jesus” e “Neste mundo”. Ensaiar à distância da regente parecia algo difícil, mas vocês “tiraram de letra”! Fiquei surpresa em como estavam adiantados quando fui ensaiá-los. Sempre superando as expectativas.

Em especial, o hino “Careço de Jesus” arrancou lágrimas dos olhos de nosso queridíssimo Apóstolo. Vocês cantaram lindamente, como sempre.

 

Para terminar essa minha retrospectiva por alguns momentos especiais da minha história com o coral da estaca Belo Horizonte, não posso deixar de falar do nosso amado e tão especial Presidente Dias, que será desobrigado nessa conferência do dia 14 e 15/03/2015.

Tem sido muito especial para mim estar sob a presidência dele nos anos em que servi como regente. Seu apoio, preocupação, carinho e noção de que a música e o coral são algo extremamente importantes para aumentar a espiritualidade das reuniões da igreja, fizeram toda a diferença.

Ele me fez sentir que era capaz de conduzir um grupo de pessoas tão experientes e motivou-me quando mais precisava. Uma das pessoas que mais me motivaram a desenvolver meus talentos musicais quando não me achava capaz foi o Presidente Dias. Abriu portas em minha vida para aplicar algo que muitas vezes no meio profissional da música eu não conseguia devido a minha timidez. Hoje, as pessoas que me conheciam antes, percebem a transformação que ocorreu em mim por servir na música na igreja. Devo isso muito a ele, Pres. Dias, por ter acreditado que eu podia fazer algo que nem mesmo eu sabia ser possível. E por até hoje me incentivar.  O Senhor me abençoou grandemente em todos esses momentos.  São bênçãos tão sagradas que é difícil explicar aqui fazendo jus à grandiosidade delas para mim e para minha família.

Só tenho a agradecer pelos momentos preciosos com o coral. Não os trocaria por nada nesse mundo. Eles fazem de mim quem sou hoje. E espero que todos os regentes de coral da igreja possam sentir isso também. Porque para o Senhor nada é impossível.

 

“Se ama o Senhor e sua doutrina, então amará os hinos; e quando os amar, vai querer cantá-los” Thomas S. Monson

 

Amo vocês, hoje e por toda a eternidade. Obrigada por nossos momentos juntos. Cada aprendizado. Cada incentivo. Cada demonstração de amor.

 

Marina Mafra Soares de Souza, honrada por ser sua regente

 

Anúncios